26 abril 2010

Sobre autenticidade e veracidade

Autenticidade e veracidade são características documentais complementares, que tendem a serem confundidas pelo senso comum. A autenticidade diz respeito à geração de um documento e às qualidades que o legitimam para que ele possa exercer a plenitude de sua função administrativa, inclusive em termos legais. Por exemplo, as decisões de uma reunião somente terão valor efetivo se forem anotadas em uma ata e se a referida ata estiver revestida de autenticidade, ou seja, se realmente for resultante daquela reunião e se realmente tiver sido aprovada pelos participantes da reunião, devidamente registrada e contar com o tipo adequado de informações dispostas de modo tradicional (para atas). Eventualmente, a mesma reunião pode ter tomado decisões que não se efetivaram ou ter incorrido em erro na análise de algum assunto. Os aspectos referentes ao conteúdo do documento dizem respeito à veracidade e não podem ser confundidos com a autenticidade. Por mais que uma ata não espelhe exatamente o ocorrido na reunião (por exemplo, a informação sobre um participante que erroneamente foi dado como ausente), se ela seguiu todos os trâmites normais para a sua aprovação ela será sempre autêntica, mesmo que parte de sua informação não seja verídica.
A Reitoria da UnB, em recente nota, informou que procederá ao pagamento integral das URPs atrasadas dos docentes daquela instituição. A nota é autêntica, pois está divulgada no portal da UnB com a rubrica de “nota oficial da Reitoria” (clique aqui para confirmar).
No entanto, a autenticidade não é garantia de veracidade. Isso quer dizer que, a despeito de ser uma nota pública, emanada da autoridade máxima da Universidade, nem todos os docentes irão receber o pagamento integral da URP, conforme pode ser verificado em um contracheque (também autêntico, emitido pelo site do SIAPE) de um docente daquela instituição, no qual os vencimentos referentes às URPs, atuais e atrasadas, não estão contemplados:
Dos males o menor; pelo menos o não lançamento da URP no contracheque acima se converteu em exemplo didático para fixação dos conceitos de autenticidade e veracidade:
  • a nota oficial da Reitoria é AUTÊNTICA, porém, infelizmente para aquele docente, INVERÍDICA;
  • o contracheque é AUTÊNTICO e VERÍDICO, infelizmente para o mesmo docente (que não vai receber URP nenhuma).


Proposta de atividade cidadã
Analise discursos sobre a importância da educação pública de nível superior no Brasil considerando o contracheque reproduzido acima, no qual o salário de um doutor em regime de dedicação exclusiva é de R$ 2.388,27, (todo o resto, como é gratificação, pode, a qualquer momento, vir a ser contestado, assim como a URP) e:
  1. discuta autenticidade e veracidade dos discursos;
  2. comente as perspectivas futuras da universidade pública brasileira.

3 comentários:

  1. Cara... de autenticidade e veracidade eu não entendo nada (rs). Mas que essa salário ai é um absurdo, isso sim dá pra entender!

    ResponderExcluir
  2. Confira nossa resposta: http://fundogaragem.blogspot.com/2010/05/autenticidade-e-veracidade.html

    ResponderExcluir
  3. Acho que sobre esses discursos, a necessidade de valorização dos docentes é verídica, mas não está sendo autêntico. Não há de verdade políticas que prestigiem os professores universitários, tampouco outras classes vitais para um país que quer se desenvolver.

    Micharia mesmo...

    ResponderExcluir

clique para comentar