31 maio 2010

Jogo dos Infinitos Erros

Hmmm... 1 equívoco! 2... 3... 4... Até quantos vamos conseguir contar?!
Pois é meninos, nessa última semana uma reportagem da revista Ciência Hoje das Crianças teve grande repercussão no meio arquivístico. A matéria é da edição 211, do mês de Abril desse ano. O grupo Hora de Comunicar estava antenado e dedicou o post Quando crescer vou ser arquivista para informar os seus usuários o que é ser arquivista.

Será que esta matéria realmente mostra para as crianças o que é ser um arquivista? Será que ela nos descreve bem? Descreve nosso trabalho e nossas funções? Leiam, releiam e brinquem! Isso mesmo! BRINQUEM! Vamos ver quem acha mais erros nessa reportagem. Talvez não seja um jogo dos 7 erros, mas comentem aqui quais os equívocos identificados por vocês.
Clique aqui para ler a matéria.
Enjoy it! ;)

Larissa Marques Martins

17 comentários:

  1. Olá, André!
    Antes de fazer esta tarefinha, queria dizer que o endereço do nosso blog mudou:

    www.podebeijaranoivaa.blogspot.com
    Desculpe as incoveniências...
    Até mais

    ResponderExcluir
  2. O ARQUIVISTA ARRUMA DE FORMA LÓGICA TODO TIPO DE DOCUMENTOS DENTRO DOS ARQUIVOS
    SE UM ZOOLOGICO RECEBE UM NOVO ANIMAL, O ARQUIVISTA É QUEM VAI GUARDAR (OU DEIXAR PRONTA) A PASTA CERTA PARA COLOCAR OS DOCUMENTOS DO NOVATO - O Arquivista é responsável pela gestão documental.
    UM ARQUIVO PODE CONTER OS MAIS VARIADOS MATERIAIS - Um arquivo é composto apenas de documentos, que podem ser em diversos suportes.
    TUDO PODE SER ARQUIVADO - Tudo mesmo? Posso arquivar meu cachorro?
    LEI AUREA NO ARQUIVO NACIONAL - Apesar do Professor ter exposto na sala que o original da Lei Áurea se encontra no acervo do Senado, pesquisei e todas as referências apontam para o Arquivo Nacional do Rio de Janeiro.
    NENHUM DOCUMENTO É IGUAL AO OUTRO, O ARQUIVISTA TEM DE SER CRIATIVO PARA CRIAR NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO - E o princípio da proveniência e da Organicidade?
    O ARQUIVISTA TEM QUE GOSTAR DE APRENDER SOBRE TUDO - Arquivista não é Deus para almejar saber de tudo
    O ARQUIVISTA TEM DE LER MUITO PORQUE VAI TRABALHAR COM TODAS AS AREAS DO CONHECIMENTO HUMANO - O arquivista trabalha com documentos. O que vai mudar é o contexto de cada acervo.
    MAS NEM TUDO PODE SER GUARDADO ETERNAMENTE
    SOMENTE OS ARQUIVOS MUITO IMPORTANTANTES COMO AQUELES QUE CONTAM A HISTORIA DE UM PAIS SÃO MANTIDOS PRA SEMPRE
    JÁ OUTROS ARQUIVOS, COMO AS CONTAS DE UMA EMPRESA OU O HISTORICO ESCOLAR DOS ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE, SÃO DESCARTADOS QUANDO NÃO TEM MAIS UTILIDADE

    ResponderExcluir
  3. *Os documentos não estão somente em papel, mas sim em vários suportes.
    *Nem tudo é documento de arquivo.
    *O arquivista arruma de forma lógica – por assunto, ordem alfabética ou cronológica: isso se refere somente ao ordenamento dos documentos, não ao trabalho do arquivista como um todo.
    *Não é papel do arquivista presenciar a produção documental em todas as atividades.
    *Não é só para “arrumar” os documentos e facilitar sua busca que trabalha o arquivista.
    *“Coisa recente” tem em toda instituição.
    *O arquivo pode ter vários MATERIAIS, ou melhor, SUPORTES: PAPEL, PLÁSTICO.
    *A Lei Áurea está no Arquivo Nacional? Não está no arquivo do Senado?
    *O arquivista não deve inventar novas formas de organização, mas deve criar instrumentos que reflitam a estrutura da instituição e a organicidade dos documentos.
    *Não há necessidade de aprender sobre tudo, mas sim sobre a instituição em questão.
    *Também não é pré-requisito ser organizado.
    *Nem todas as atividades arquivísticas visam somente à recuperação da informação.
    *Somente arquivos muito importantes são mantidos para sempre? Toda instituição terá seu arquivo permanente independente se são muito importantes ou não para a história do país.
    *Documentos raros e valiosos devem ser mantidos em SEGREDO? Ou melhor, são SIGILOSOS? Raridade não é um fator que traz sigilo ao documento. Os graus de sigilo estão relacionados à restrição de acesso ao documento para o efeito de segurança.
    *O melhor de todos: o arquivista não pode ser dedo duro!

    ResponderExcluir
  4. Esse texto é realmente uma piada...legal a intenção de divulgar a área arquivística, mas poderia ser com menos erros!!!
    Como as meninas já citaram muuuuiiitoooss erros, vou fazer o meu Top 3 (colocarei os 3 que eu considero mais absurdos):

    1. "O Arquivista arruma de forma lógica - por assunto, ordem alfabética ou cronológica (de tempo) - todo tipo de documentos dentro de arquivos." - A partir de uma afirmação como essa é que nasce aquela famosa pergunta: Será que as pessoas estudam para passar no vestibular, ralam dentro do curso para estudar tanta teoria e saber como colocá-las em prática e se formar para trabalhar apenas com o ordenamento dos documentos?!!

    2. "Um arquivo pode conter os mais variados materiais[...]" - Pessoal, vamos nos lembrar que documentos de arquivo são aqueles registrados e orgânicos!!!

    3. "Tudo pode ser arquivado." - Tudo mesmo?! Vou arquivar então quem escreveu esse texto!!!

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto daquilo que o Prof Renato disse no meu 2º semestre:

    Tem quem pense que a gente faz 4 anos devcurso pra desenvolver diversas maneiras de arquivar os documentos, tipo: arquivamento com salto duplo carpado!

    +/- isso.

    ResponderExcluir
  6. ‘O Arquivista arruma de forma lógica - por assunto, ordem alfabética ou cronológica (de tempo) - todo tipo de documentos dentro de arquivos (...)’
    - A ordenação é apenas uma das funções dentro do que chamamos de Gestão Arquivística de Documentos.

    ‘Um arquivo pode conter os mais variados materiais (...)’
    - Os documentos de arquivo podem ser definidos como ‘registros de informação, em qualquer suporte (...), produzidos ou acumulados por uma pessoa ou organização pública ou privada, no exercício de suas funções e atividades’ (BERNARDES, Como fazer avaliação de documentos de arquivo. p. 4). O material sobre o qual as informações são registradas é o suporte. Logo, os documentos podem ser registrados em vários suportes.

    ‘Nenhum documento é igual ao outro. O arquivista tem de ser criativo para criar novas formas de organização (...)’
    - E o princípio da proveniência e da organicidade? ‘(...) Os documentos que pertencem a um mesmo fundo guardam relação orgânica entre si, não podendo seus componentes ser separados (BELLOTTO. Arquivos permanentes: tratamento documental. p. 130). O arquivista deve criar instrumentos que reflitam a missão e a estrutura da instituição, além da relação orgânica dos documentos. Existem princípios e métodos que devem ser seguidos; não basta ser criativo e organizado.

    ‘O arquivista tem que gostar de aprender sobre tudo (...)’
    - Ainda bem que o arquivista tem que GOSTAR de aprender sobre tudo. Imagina se ele fosse OBRIGADO?

    ‘Mas nem tudo pode ser guardado eternamente. Somente arquivos muito importantes como aqueles que contam a história de um país são mantidos para sempre. Já outros arquivos, como as contas de uma empresa ou o histórico escolar dos alunos de uma universidade, são descartados quando não têm mais utilidade (...)’
    - Os documentos preservados em caráter definitivo, por uma instituição, foram o que chamamos de arquivo permanente. Como a nossa colega deixou claro: ‘Toda instituição terá seu arquivo permanente independente se são muito importantes ou não para a história do país.’

    Mas, valeu a intenção da revista em tentar divulgar um pouquinho da nossa área.

    :)

    ResponderExcluir
  7. Alica e Ecione,
    sim, o professor André está certo. Tanto o projeto da Lei Áurea quanto a lei sancionada estão no arquivo do SF. Abraços!

    ResponderExcluir
  8. É importante lembrar que no Brasil as leis só passam a valer depois da publicação no Diário Oficial. É provável que o AN tenha guardado um exemplar do periódico publicado, que deve existir também em outras instituições. O material do Senado é o processo e a Lei sancionada, autênticos documentos de arquivo. Será que a Lei publicada em originais múltiplos é um documento de arquivo? Sim? Não? Depende? Se for, por que um documento do poder legislativo ficaria na instituição responsável pelos documentos do poder executivo? Fica aqui a indagação para o próximo comentarista...

    ResponderExcluir
  9. No encerramento da I Reunião Brasileira de ensino e pesquisa em arquivologia foi discutido sobre a divulgação do curso. O pessoal da UFBA comentou que recentemente saiu uma reportagem no jornal A Tarde On Line divulgando o curso no estado.
    http://www.atarde.com.br/vestibular/noticia.jsf?id=2541642

    A matéria Quando crescer quero ser arquivista também foi brevemente comentada, e até bem comentada, inclusive pelo Zé Maria Jardim. Ninguém mostrou-se desfavorável a o que foi escrito.
    Viu Pedro. Você não é o único.
    Hehehe.

    ResponderExcluir
  10. Os principais erros já foram citados aqui, mas vamos lá, quando se trata de defender nossa profissão nunca é demais ! (kkk)
    No segundo parágrafo a impressão que eu tive foi que ser arquivista é nada mais do que colocar os documentos em ordem, que simples né? mas nós sabemos que as coisas não são tão simples assim! Sabemos que isso é só uma função dentre várias que existem na gestão documental.
    Como já foi dito nos comentários acima, nem tudo pode ser arquivado!
    E para finalizar, na parte em que o texto diz que é o "arquivista decide que documentos devem ser jogados fora e quando" parece que nós decidimos de acordo com a nossa vontade, ou seja, se eu não vou com a cara desse documento ele vai pro lixo, e não é bem assim né? Isso depende de inúmeros requisitos que vão além da vontade do arquivista.
    Enfim, a intenção foi ótima mas acredito que quando se trata de uma profissão é necessário tomar cuidado com algumas afirmações.

    ResponderExcluir
  11. Vale a Pena Ver de Novo nos erros já citados do Jogo dos [nem tato] Infinitos Erros:

    “...mas não é só na família que têm documentos. Eles estão por toda parte... e quem será que organiza toda essa papelada? A resposta está n título: o arquivista.”

    1º)Nem todo documento está registrado em suporte de papel.

    “Se um zoológico recebe um novo animal, o arquivista é quem vai guardar (ou deixar pronta) a pasta certa para colocar os documentos do novato.”

    2º) O responsável por deixar a pasta pronta de um animal novo no zoológico provavelmente é o biólogo ou o veterinário ao examinar o bichinho na recepção do novo lar. Esses profissionais produzem os documentos de registro do animal que a priori são de caráter administrativo e trata-se da área-fim do zoológico.

    “O nosso país mesmo tem um Arquivo Nacional, onde você encontra gravações de discursos dos presidentes, mapas das cidades de diferentes épocas, vídeos de grandes eventos e papéis importantes como a Lei Áurea...”

    3)Em 1888 a Lei Áurea foi apresentada pela então Câmara Geral, enviada para o Senado Imperial e após de aprová-la foi encaminhada para que a princesa Isabel a sancionasse. Por se tratar de uma lei, o seu local de guarda é o Senado Federal.

    “Como nenhum documento é igual ao outro, o arquivista tem de ser criativo para inventar novas formas de organização.”

    4)O arquivista é o profissional da área de arquivo, documentação e gestão da informação. Esse profissional precisa ter curso superior em Arquivologia para ser habilitado na profissão. Durante o curso de Arquivologia aprende-se métodos de gestão e administração de documentos.Por tanto o arquivista baseia a organização em intrumentos previamente elaborados em uma organização

    “O arquivista tem de ler muito porque vai trabalhar com todas as áreas do conhecimento humano”

    5)O arquivista quando contratado para atuar em uma organização tende a trabalhar somente com os documentos produzido e recebidos por tal organização.

    “Mas pra quê guardar tanta coisa? Muitas vezes, nós temos dúvidas sobre que decisões tomar e uma consulta aos documentos pode nos ajudar muito. Sabendo o que aconteceu no passado, conseguimos saber o que fazer no presente”.

    6)Nem sempre o que aconteceu no passado pode ensinar o que fazer no presente. O arquivo serve dentre outras finalidades para guardar a lembrança institucional de uma organização, fornecer informações e documentos necessários ao desenvolvimento das atividades e para fins comprobatórios.

    “Mas nem tudo pode ser guardado eternamente, e é o arquivista também quem decide que documentos devem ser jogados fora e quando.”

    7)O documento não é jogado fora quando o arquivista simplesmente decide. Quando o documento não possui mais valor administrativo, jurídico, fiscal e nem características que agregam valor a memória da instituição o documento é listado em uma tabela de eliminação e encaminhado para uma comissão que julgará a lista de eliminação. Para definir o fim desses valores em um documento é necessário ter uma tabela de temporalidade elaborada com base na legislação.

    “...Já outros arquivos, como as contas de uma empresa ou o histórico escolar dos alunos de uma universidade, são descartados quando não têm mais utilidades.”

    8)Históricos escolares precisam ser guardados mesmo depois que os alunos formam na sua graduação, pois a qualquer momento da vida aquele aluno pode requerer seu histórico.

    “...São documentos valiosos que, por isso, devem ser mantidos em segredo”
    9)Precisa mesmo dizer algo a respeito dessa? Dá até preguiça.

    ResponderExcluir
  12. Só reiterando "minha ironia": Que bom! =D

    ResponderExcluir
  13. Bom, em primeiro lugar, eu venho defender a matéria publicada pela revista, pois ela foi coerente e muito clara, tendo em vista o seu público-alvo, que são as crianças.Não há nenhum erro tão absurdo, além do que disseram sobre onde se encontra a Lei Áurea, mas tem errinhos pra gente corrigir!
    Ah, e é CLARO que a revista não poderia falar em Gestão Documental de Arquivos ou Respeito à ordem original...se não as criancinhas ficariam morrendo de medo!!
    Erros:
    1 - UM ARQUIVO PODE CONTER OS MAIS VARIADOS MATERIAIS -
    Aqui não se trata de materiais...são suportes!

    2 - TUDO PODE SER ARQUIVADO
    Nem tudo,né!!!!!!E também não podemos confundir arquivo com museus, que guardam cadeiras, roupas, etc.

    3 - O ARQUIVISTA TEM DE LER MUITO PORQUE VAI TRABALHAR COM TODAS AS AREAS DO CONHECIMENTO HUMANO -
    Aqui, o que ocorre é que é importante termos uma boa cultura e que saibamos um pouco de tudo.Mas o mais importante é conhecer muito bem a instituição em que trabalhamos, pois os documentos que ela produz, somos nós quem organizamos!

    ResponderExcluir
  14. Até entendo a boa vontade da revista em divulgar nosso curso, mas tenho receio de que pessoas adultas (que não são o público-alvo dessa revista) ao lerem a reportagem pensem que o profissional arquivista não é importante. Afinal, ORGANIZAR DOCUMENTOS EM ORDEM ALFABÉTICA OU CRONOLÓGICA ,da forma como é retratada na reportagem, é algo que qualquer funcionário de outra área consegue fazer.
    O texto passa a impressão de que se esse mesmo funcionário for ORGANIZADO,CRIATIVO (“para criar novas formas de organização”), e “GOSTAR DE APRENDER SOBRE TUDO”, ele já pode ser considerado um arquivista.
    A revista também errou ao dizer que “TUDO PODE SER ARQUIVADO" (sem comentários!), além da afirmação de que “O ARQUIVISTA DECIDE QUE DOCUMENTOS DEVEM SER JOGADOS FORA E QUANDO”, como se ele pudesse fazer isso pela sua própria vontade, sem o auxilio de instrumentos arquivisticos.
    Mesmo com tantos erros acho que a intenção valeu, pois ainda há situações em que o nosso curso é difamado, como neste site “engraçadinho” que só fala besteiras sobre vários cursos.
    http://desciclo.pedia.ws/wiki/Arquivologia

    ResponderExcluir
  15. Márcio de Araujo Matos11 de jun de 2010 10:09:00

    Os erros estão evidentes, na medida que estamos analisando a reportagem como graduandos de Arquivologia na reta final do curso.

    A questão da forma lógica de se organizar a documentação: O lógico para um leigo no assunto é se organizar por data, por assunto, e isso não é nenhum erro grave, tendo em vista isso conter para eles uma "lógica". Eramos assim, antes de entrar no curso. Para os profissionais da área e estudantes do assunto fica claro que há outros aspectos a serem considerados quando do tratamento da documentação e que aspectos como tempo e assunto não são os mais adequados.

    O escritor da matéria trabalha a idéia de suporte como material: "Um arquivo pode conter os mais variados materiais (...)". Mas se lembrarmos que a reportagem é voltada para um público específico, no caso crianças, eu considero que fica válida a idéia de se mostrar a diversidade dos suportes no arquivo.

    E aí vai uma reflexão: as crianças que tiverem a oportunidade de ler essa reportagem, poderão crescer com essa idéia na cabeça, e escolher a Arquivologia como profissão por afinidade, por vontade, diferente da maioria de nós que só viemos conhecer (a pontinha do iceberg) quando nos deparamos com as aulas do CID. Ou vai dizer que sempre sonhamos em ser arquivistas?

    No meu trabalho, os colegas tiram o maior sarro do tipo: Já estudou arquivo até a letra "O"? Tenho um Oficio para você arquivar. Arqui o que?

    O importante é a duscussão sobre a Arquivologia, a publicidade que estamos adquirindo com esse tipo de reportagem...

    ResponderExcluir
  16. O texto possui diversos erros como todos já comentaram. Os principais erros que chamaram a minha atenção são:

    - Segundo o texto o função do arquivista é só guardar e ordenar documentos, e isso apesar de ser uma das funções do arquivista, não é nem metade das atividades que um arquivista executa.

    - Existem vários suportes de documentos, não só o papel.

    - Não só arquivos como os que contam a história de um país são de guarda permanente. Existem vários documentos que são permanentes como por exemplo, elogios a funcionários, que nem sempre são considerados documentos tão importantes, mas que possuem guarda permanente.

    - O Arquivista não deve criar formas de organização do documento, devemos preservar entre outras coisas a organicidade dos documentos.

    Enfim, o texto possui vários erros, mas aborda de uma forma interessante, mas muito simplificada, mostrando não ter muito conhecimento sobre o que seria a profissão de um arquivista.

    ResponderExcluir
  17. Sobre a concordância do José Maria Jardim com a reportagem não é bem assim. Vejam a resposta que recebi dele sobre o assunto:

    Oi, André
    Tudo bem?
    Òtima, a sua iniciativa e a participação dos alunos.
    Considero que vários pontos levantados no blog sobre a matéria da SBPC são pertinentes.
    Lembro-me de ter visto brevemente a matéria na véspera do último dia reunião, no twitter . Fiz um comentário muito breve na Reunião, num contexto em que, creio, discutiam-se possibilidades de divulgação da área. Citei a iniciativa da SBPC como algo positivo por se tratar de uma tentativa de comunicação com crianças, mas não me lembro de entrar em maiores considerações sobre o conteúdo da matéria.
    Um grande abraço,
    Zé Maria

    ResponderExcluir

clique para comentar